Azevedo diz que Itabuna vai vencer a batalha contra a dengue


O índice de infestação por focos do mosquito da dengue em Itabuna, de 10,7%, é alto e preocupa, mas ainda assim é bem inferior aos 25% registrados em janeiro de 2009. De acordo com números da Secretaria Municipal de Saúde, as projeções apontam para um percentual inferior a 7 pontos, com a conclusão do quinto dos seis ciclos epidemiológicos cumpridos ao longo do ano pelos agentes de endemias.

Com base nesses números e nas ações que o município está promovendo para reforçar o combate ao mosquito transmissor, o prefeito de Itabuna, Capitão Azevedo, assegurou nesta quarta-feira (02) que Itabuna vai vencer a batalha contra a dengue. “Vivemos um momento de grande preocupação, mas estamos fazendo o dever de casa, tanto que este é o primeiro ano em que a Prefeitura vai cumprir todos os seis ciclos de controle do vetor”, disse o chefe do Executivo durante coletiva à imprensa, onde o principal assunto foi a doença causada pelo mosquito Aedes aegypti.

Acompanhado pelos secretários de Saúde, Antônio Vieira; Assuntos Governamentais e Comunicação, Walmir Rosário; e de Indústria, Comércio e Turismo, Carlos Leahy, Azevedo elencou as medidas que estão sendo adotadas pelo município para garantir um controle eficiente da dengue e a redução dos índices de infestação. As ações estão respaldadas em um decreto de situação de emergência, assinado no dia 5 de novembro.

Entre as medidas determinadas pelo governo, está a ampliação da quantidade de visitas domiciliares. Normalmente, as visitas ocorrem a cada fase do ciclo de reprodução do mosquito transmissor (dois meses), mas até que os índices de infestação predial sejam reduzidos, os agentes farão inspeções nos domicílios a cada 30 dias. Para isso, os 350 agentes comunitários de saúde vão reforçar o trabalho dos 250 agentes de controle de endemias.

Durante a coletiva, o prefeito destacou uma estatística do Ministério da Saúde, segundo a qual mais de 90% dos focos de dengue em Itabuna estão relacionados ao armazenamento incorreto de água. São caixas d’água e tonéis destampados, e caqueiros e piscinas que, por falta de cuidado, acabam se transformando em criadouros do Aedes aegypti.

Azevedo anunciou que vai trabalhar para que a Câmara aprove um projeto de lei que obrigue os proprietários de imóveis a manter seus reservatórios de água cobertos. Aqueles que não cumprirem a determinação serão notificados e, em caso de reincidência, punidos com a aplicação de multa. Outra informação transmitida pelo prefeito foi a de que empresas do município vão colaborar com a doação de 30 mil capas para tanques. Ainda segundo Azevedo, no bairro Maria Pinheiro, o de maior infestação no município, mais de 70% das casas já estão com suas caixas d’água cobertas. “Vamos intensificar esse trabalho e afastar de vez o pesadelo de uma nova epidemia de dengue, mas é importante dizer que a conscientização de todos e a responsabilidade de cada um são fundamentais”, enfatizou.